Avançar para o conteúdo principal

Quando dizemos Chega

Não queremos que assim seja mas há sempre uma altura em que temos de dizer chega.
Não gostamos, tentamos evitar, mas quando parece ser inevitável não podemos fugir.
Até aqui tudo bem.
O problema é quando é com a família :(
Quando é com aqueles que pensamos que vamos poder contar toda a vida. Mas afinal não.
Já se notava uma certa "falsidade", um suportar sem grandes alaridos, mas notando-se que não era um convívio pacífico. Era mais um esforço controlado.
E um dia vai abaixo. Porque quando é assim tem de ir.
E isto acontece quando as pessoas só olham por si e para si.
Só a sua vida é que é complicada. Só os seus filhos é que dão trabalho. Só a sua condição de trabalhar/estudar é que é difícil. Só os seus gastos são importantes. Só o seu tempo é que é precioso. Enfim...tanta coisa que não parava de escrever se fosse a escrever tudo.
Mas o que mais me chateia no meio disto tudo?
Não é a falsidade ter acabado e as cartas estarem todas em cima da mesa. O que me chateia é eu não ter tido a hipótese de mostrar o barulho todo. Sim, porque eu também tenho vida, filho, compromissos, falta de tempo, também já trabalhei e estudei ao mesmo tempo até há bem pouco tempo. Também tenho gastos que importam. Também tenho desafios constantes a surgirem. Mas não. Não o pude dizer. E sei que ás vezes não é preciso dizer. Mas desta vez gostava de ter dito.
Mas não disse.
E aquilo que me consola, como costumo dizer, nas discussões...para os egoístas...fica muito mais presente aquilo que disseram do que aquilo que ouviram. Acham sempre que ficaram por cima (vai-se lá saber o que isso quer dizer).
Por isso, se calhar na verdade, dizer não ia fazer muita diferença.
E é melhor assim.
:(
 

Comentários

  1. Arrependo-me tanto do que não disse... força!

    ResponderEliminar
  2. Reconheço-me no teu texto.
    Força, coragem e vai em frente com aquilo que sentes..

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Dos chefes que não deviam ser chefes

Hoje não estou 100% e portanto vou desabafar um pouco. Há pessoas que, por vários motivos (justos e outras vezes nem tanto), são chefes mas que não deviam ser. Não deviam ser porque simplesmente não têm capacidade para o serem. Falta-lhes uma componente muito importante que é saber gerir recursos humanos.
Estes recursos que por acaso são Humanos, como o próprio nome indica, são recursos que não podem ser utilizados todos da mesma forma, nem podem ser avaliados (palavra que estes chefes tanto adoram) todos da mesma forma e porquê? Porque as pessoas não são todas iguais. Ora isto parece óbvio mas a verdade é que há pessoas que desconhecem esta verdade que afinal não é assim tão absoluta.
Há chefes que não têm a sensibilidade de perceber o que está à sua frente, às vezes está tão à frente que enerva, e que por esse motivo erram no julgamento, na avaliação e no tratamento dessa pessoa. Acho muito mau e acho que devia ser obrigatório uma formação de vez em quando sobre como lidar com pessoas…

Melhor coisa do mundo

Quando o nosso bebé nos dá aquele abraço apertado. Quando nos dá aquele beijinho que só ele sabe dar e que é um misto de ferradela e lambidela. Quando se põe em pé pela primeira vez no berço a olhar para nós como quem diz "o próximo passo vai ser conseguir sair daqui". Quando abre aquele sorriso lindo quando nos vê chegar. Quando faz aquele sorriso malandro (também lindo) por estarmos a pegar com ele. Quando solta umas gargalhadas contagiantes por estarmos a dizer uma palavra que ele considera muito engraçada. E a lista continuava porque a melhor coisa do mundo é ver o nosso filho tão feliz. Amo-te bebé.


Bebé e a tecnologia/tv

Cada vez mais leio opiniões de várias pessoas, com e sem bebés, sobre o uso de telemóveis ou outro equipamento para sossegar os mais pequenos. E sempre que termino de ler penso a mesma coisa. Será que estas pessoas nunca ligaram o telemóvel com uma música que o bebé gosta para o acalmar? Será que estas pessoas nunca puseram o bebé a ver tv para que ele comesse melhor a sopa/refeição sem ser aos soluços ou aos berros. Será que estas pessoas nunca estiveram num restaurante a tentar comer o seu prato com o bebé ao lado aos prantos e profundamente desconsolado porque falar com ele só não o acalma? Que sorte que estas pessoas têm. Eu não tenho. Eu preciso de vez em quando recorrer a estas ajudas para conseguir que o meu bebé acalme e consiga comer. Eu prefiro que ele veja um pouco de tv do que não coma nada ou vomite o que comeu por estar sempre a chorar. Mas isso sou eu. Posso estar errada, mas prefiro mesmo. Claro que não é uma fixação no telemóvel ou na tv. É por momentos e bastante rápido. M…